Gás metano como combustível para automóveis

metano_frango 

Para Harold Bate, um granjeiro e inventor de Devonshire, Inglaterra, combustível nunca foi problema: ele tem utilizado o gás metano resultante da decomposição das fezes de frango para abastecer seu automóvel Hillman 1953. Segundo Bate, o gás é alimentado ao motor por um mecanismo especial inventado por ele e seu automóvel consegue atingir velocidades próximas a 120 Km/h sem o uso de gasolina.

Para a geração do metano, Bate introduz cerca de 15 litros de esterco de frango em um cilindro metálico selado o qual é mantido aquecido a 80 graus Celcius com o uso de uma lamparina a óleo. O gás é coletado em garrafas ou balões de plástico através de uma válvula de saída e armazenado para uso. O gás é também utilizado para aquecimento de sua residência e como combustível para um caminhão de cinco toneladas.

O metano é um combustível renovável e menos agressivo ao meio ambiente quando comparado a combustíveis fósseis. São gerados água e CO2 como sub-produtos de sua combustão. Além disso, pode ser produzido pelo aproveitamento de resíduos orgânicos que acabariam, na maioria das vezes, contaminando corpos d’água e sobrecarregando aterros sanitários.

Via MotherEarthNews

Anúncios

CO2 em combustível

cr5_4 

Uma equipe de pesquisadores do Sandia National Laboratories está estudando a conversão de dióxido de carbono em combustível com a utilização da energia solar. O projeto, entitulado Counter Rotating Ring Receiver Reactor Recuperator (CR5), irá quebrar a ligação carbono-oxigênio para formar monóxido de carbono (CO) e oxigênio. O monóxido de carbono seria utilizado para produzir hidrogênio ou serviria para a produção de combustíveis líquidos como metanol, gasolina ou diesel.

A pesquisa tinha como objetivo inicial quebrar a molécula de água em hidrogênio. No ano passado, a química da conversão de CO2 em CO com a utilização do sol foi provada. O próximo passo é a construção de um protótipo para o início de 2008. O primeiro desafio será capturar CO2 de onde ele é gerado: usinas termoelétricas. Com essa tecnologia, o CO2 capturado a partir da queima de carvão poderia ser utilizado para a criação de combustível líquido. Segundo um dos pesquisadores,

A equipe desenvolveu um protótipo que irá quebrar o dióxido de carbono pelo uso de um processo viável e inteligente. Essa invenção, ainda que distante do mercado uns bons 15 ou 20 anos, carrega a promessa de ser capaz de reduzir as emissões de dióxido de carbono enquanto preserva a opção de continuar utilizando combustíveis que conhecemos e gostamos. Reciclar o dióxido de carbono em combustível é uma alternativa interessante e atrativa quando comparada ao processo de captura e armazenamento (CCS).

Via Science Daily

Transforme o óleo de cozinha usado em biocombustível com o FuelPod2

FuelPod2

Você não sabe como dar uma disposição final correta ao óleo de cozinha utilizado? Um alternativa interessante seria transformá-lo em biocombustível e abastecer seu carro sem sair de casa. Com FuelPod2 isso já é possível. Trata-se de um processador doméstico de biocombustível. Ele é alimentado com o óleo de cozinha usado e o combustível produzido pode ser utilizado em qualquer motor convencional a diesel sem modificações e sem afetar sua performance.

O FuelPod2 consegue converter até 50 litros de cada vez. Com 60 cm de diâmetro e 1,40 m de altura, ele pode ser guardado facilmente em uma garagem. É operado através de um compressor e está sendo vendido no Reino Unido por cerca de U$4200. Mas o difícil mesmo será conseguir óleo suficiente em uma residência convencial. O jeito será apelar a restaurantes e bares.

Via Reuters

Hidrogênio a partir de algas: produção, armazenamento e distribuição no mesmo local

hidrogenio_balao1

A célula de combustível a hidrogênio talvez ainda não se torne viável para veículos durante os próximos anos. Porém, um grupo de profissionais bastante criativos da Philadelphia, conhecido como 20/2 Collaborative, projetou um conceito único que possibilita a produção biológica de hidrogênio on-site e sua distribuição para o abastecimento de veículos. O projeto mistura lagoas de algas com balões flutuantes para a integração da produção do combustível e sua distribuição, e permite que o combustível renovável seja criado e distribuído no mesmo lugar.

hidrogenio_balao2

A idéia congrega o trabalho de diversos grupos de pesquisa, incluindo cientistas da Universidade da Califórnia, em Berkeley, que estão investigando atualmente a produção de hidrogênio por algas. Embora o hidrogênio esteja rapidamente se tornando o combustível do futuro, seu armazenamento e distribuição têm sido um desafio. Os containeres necessários para seu armazenamento são muito grandes e, nos EUA, somente existem estações de abastecimento em Los Angeles, Nova York e em Washington D.C. O conceito desenvolvido pelo 20/2 Collaborative contempla os requirementos para o armzenamento do hidrogênio e integra o suprimento de combustível no ambiente construído visível. O resultado é uma infraestrutura limpa, em escala humana e que conecta o usuário à fonte.hidrogenio_balao4 hidrogenio_balao5

 

 

 

 

 

 

O conceito foi originalmente desenvolvido para uma aplicação em Reykjavik, Islândia, como parte do Vatnsmýri Urban Planning Competition. O grupo 20/2 Collaborative desenvolveu um protótipo da lagoa de algas e do balão capaz de produzir e armazenar hidrogênio suficiente para o abastecimento de até 12 veículos. Os pesquisadores estimam que uma lagoa com 10 metros de diâmetro seja capaz de produzir hidrogênio para 12 carros por semana.

Via Inhabitat

Efluente de cervejaria – solução sustentável para geração de eletricidade

brewery_micro

Um projeto de cooperação entre a University of Queensland (UQ) e a cervejaria Forster’s recebeu $140.000 dólares do Fundo de Inovação em Energia Sustentável do governo de Queensland. A pesquisa: “geração de eletricidade a partir do efluente gerado na produção de cervejas”. A geração é feita através de células de combustível microbianas (MFC – Microbial Fuel Cells) que se alimentam de forma contínua dos compostos orgânicos presentes na água residuária, convertendo-os em watts. O processo também gera água e dióxido de carbono. De maneira sucinta, as bactérias presentes nesta célula utilizam um eletrodo – o ânodo – como aceptor de elétrons durante a oxidação de seu doador de elétrons, ou seja, o efluente. Os elétrons são guiados por um circuito elétrico a um segundo eletrodo – o cátodo – onde um aceptor de elétrons é reduzido sob potencial elevado. Dessa forma, eletricidade é gerada.

De acordo com o diretor do Advanced Water Management Centre (AWMC) da UQ, Professor Jurg Keller, “o gerenciamento de efluentes não se foca mais em apenas tratar a água residuária mas em gerar ou recuperar algum produto com valor como a água, energia e nutrientes. Além disso, o suprimento de água e de energia estão entre os maiores desafios que iremos enfrentar nas próximas décadas. Desse modo, devemos aprender a como diversificar nosso portfólio de combustíveis e a reduzir nosso uso de água.”

O time de pesquisadores trabalha em colaboração com a University of Ghent, Bélgica, e recebe um suporte de $1,3 milhões de dólares do Australian Research Council Discovery, além do suporte financeiro da Foster’s, que tem sido reconhecida por seus programas inovadores na redução do consumo de água e aumento da reciclagem.

Uma patente para a tecnologia ainda está pendente. A tecnologia desenvolvida é para aplicação em pequenas e médias operações e poderia ser utilizada por diversas indústrias como a de alimentos, bebidas e manufatureiras. Os pesquisadores estão animados com o progresso alcançado com o protótipo de 10 litros e já planejam a instalação de um modelo em escala piloto cuja operação coincidirá com a conferência internacional de bio-energia que será realizada na Universidade.

Via The University of Queensland