Máquina de lavar integrada ao sanitário

washup

Criado pelo design turco Sevin Coskun, um dos participantes da competição “Greener Gadgets Design” é o “Washup”. O produto, que ainda é um mero conceito, integra a máquina de lavar roupas à descarga do vaso sanitário. A água descartada pela máquina de lavar é armazenada em um tanque e reutilizada para dar descarga no vaso santário.

Além disso, como sugere seu inventor, o “washup” traz uma solução para o problema de falta de espaço para a máquina de lavar em residências de tamanho reduzido. Segundo sua descrição, “uma interface especial que inclui três unidades de controle semi-esféricas e dois botões de descarga foi projetada para uma utilização prática do produto”.

Via Core77

Idéias para o reaproveitamento de disquetes, caixas de cd e garrafas PET

disquete1 

Há 30 anos, disquetes com capacidade de 100KB eram a mídia mais eficiente para transferência de dados entre computadores. Inventados em 1971 pelo engenheiro da IBM Alan Shugart, os disquetes permanceram populares entre a metade da década de 1970 até o fim dos anos 1990.

Uma boa idéia para o reaproveitamento dessas mídas é transformá-las em blocos de anotação. Veja aqui como fazer: http://www.metacafe.com/watch/632932/make_notepad_from_floppy_disks/

 

pet_luminaria

Idéia do designer inglês Stuart Haygarth: um lustre construído com a base de garrafas plásticas. As bases receberam um polimento com areia e água para ficar com uma textura similar a um vidro fosco.

drop chandelier’ by stuart haygarth

cd_luminaria

Caixas de cd podem ser reaproveitadas na fabricação de luminárias.

re-think + re-cycle

Compostagem "indoor" simplificada

naturemill1

A compostagem é uma técnica geralmente realizada ao ar livre, no fundo do quintal e de preferência escondido para não disseminar os odores desagradáveis. Porém, já há uma alternativa: a composteira “indoor” criada pela empresa america NatureMill.

Produzida para encaixar perfeitamente sob a pia da cozinha, essa composteira pode processar até 55 Kg de resíduos orgânicos por mês consumindo apenas 10 watts de energia. Segundo a empresa, o aparelho não produz nenhum cheiro desagradável e não atrai moscas.

O processo de compostagem é realizado em uma câmara interna selada. Um pequeno ventilador é responsável pela introdução de ar à câmara. O aparelho conta ainda com uma barra misturadora e um aquecedor que mantêm o processo funcionando na temperatura correta. Uma luz vermelha indica quando o composto ficou pronto podendo ser retirado – uma vez a cada duas semanas segundo a empresa fabricante.

A composteira pode receber cerca de 2Kg de resíduos por dia e, diferentemente da compostagem realizada no quintal, pode receber restos de carne, peixe e frango, devido à elevada temperatura do processo e à câmara isolada.

Preços iniciam em U$299.

Via NatureMill

Transforme o óleo de cozinha usado em biocombustível com o FuelPod2

FuelPod2

Você não sabe como dar uma disposição final correta ao óleo de cozinha utilizado? Um alternativa interessante seria transformá-lo em biocombustível e abastecer seu carro sem sair de casa. Com FuelPod2 isso já é possível. Trata-se de um processador doméstico de biocombustível. Ele é alimentado com o óleo de cozinha usado e o combustível produzido pode ser utilizado em qualquer motor convencional a diesel sem modificações e sem afetar sua performance.

O FuelPod2 consegue converter até 50 litros de cada vez. Com 60 cm de diâmetro e 1,40 m de altura, ele pode ser guardado facilmente em uma garagem. É operado através de um compressor e está sendo vendido no Reino Unido por cerca de U$4200. Mas o difícil mesmo será conseguir óleo suficiente em uma residência convencial. O jeito será apelar a restaurantes e bares.

Via Reuters

Jaqueta feita com garrafas plásticas

bottle_clothes

A Patagonia lançou uma linha de roupas feitas a partir de materiais reciclados. A jaqueta acima foi fabricada utilizando-se garrafas plásticas.

Via Trend Hunter

Xerox desenvolve tinta que desaparece para reúso de papel

ink_xerox

Calcula-se que, em média, um trabalhador de escritório imprime 1200 páginas por mês e que cerca de 21% desse total vá parar no lixo no mesmo dia em que foi impresso, informa Brinda Dalal, antropologista da Xerox. Com base nesses números, a empresa passou a pesquisar algo que certamente atenderá aos anseios dos ambientalistas: uma tinta que desaparece. Na verdade, esse sistema de copiadora/impressora para escritórios já foi desenvolvido pela Xerox onde o texto em documentos impressos simplesmente desaparece após 16 horas, permitindo o reúso do papel.

O sistema foi desenvolvido por pesquisadores da Xerox nos laboratórios do Palo Alto Research Center e do Xerox Research Centre of Canada. Nenhuma tecnologia especial para apagar a impressão é utilizada. A parte principal da pesquisa é o desenvolvimento de um papel com uma cobertura química especial que custa um pouco mais do que o papel utilizado normalmente para impressão. Presume-se que uma folha possa ser reutilizada entre 30 e 100 vezes. Considerando-se que em um único ano sejam impressas 2,5 trilhões de páginas no mundo, dá para se ter uma idéia da economia de recursos naturais e energia tanto para a produção como para reciclagem. Além disso, ainda segundo Brinda Dalal, cerca de metade do que é impresso ou copiado na maioria dos escritórios é para uso diário e transiente, para uso em reuniões ou para leitura fora do computador.

Apesar de todo o benefício ambiental prometido por essa nova tecnologia, parece que a Xerox ainda está procurando um mercado para esse papel “transiente”. E deixa claro que ainda estão por decidir se de fato esse papel se tornará ou não um produto comercial.

Via ZDNet.co.uk

Garrafas de vinho recicladas

vinho

Uma idéia criativa para o reaproveitamento de um resíduo como a garrafa de vinho. O processo de reciclagem levou cerca de 8 horas.

$15 dólares cada

Via Eco Fling